• Maioria compraria uma viatura que nunca conduziu

    De acordo com o Observador Cetelem Automóvel 2018, 76% dos inquiridos afirmam que estão prontos para comprar um carro de uma marca que nunca conduziram. Por outro lado, um estudo anterior do Observador Cetelem indiciava que na hora de comprar carro, apenas 30% dos portugueses dão importância à realização do test-drive1. Estes dados poderão ser interpretados como um sinal de infidelidade, mas também de uma maior disponibilidade dos consumidores para a utilização de novos canais para a compra de viaturas, como por exemplo o online. De acordo com o estudo internacional do Observador Cetelem referente ao setor automóvel, 76% dos portugueses inquiridos assumem estar prontos para adquirir um carro de uma marca que nunca tenham conduzido. Este dado reforça que a fidelidade dos condutores às marcas é baixa, principalmente devido à multiplicidade de ofertas que seduzem os condutores, de acordo com o indicado por 68% dos condutores nacionais. Por outro […]

     
  • Confiança e satisfação com a marca são fundamentais para fidelizar os condutores

    Os resultados do estudo internacional do Observador Cetelem sobre a fidelização dos automobilistas à marca que conduzem indicam que os portugueses estão entre os mais fiéis, com cerca de 90% de respostas nesse sentido. Apenas os condutores chineses assumem-se mais convictos a esse nível. Fator fundamental para estes dados é a confiança demonstrada no fabricante, de longe o aspeto mais valorizado pelos portugueses, mas também a satisfação no modelo que conduzem. O Observador Cetelem Automóvel 2018 pretende conhecer mais aprofundadamente os índices de fidelização de automobilistas de 15 países em relação à marca que conduzem. Perante uma crescente oferta e concorrência entre fabricantes, que demonstram um desenvolvimento tecnológico cada vez mais evoluído e oferta mais aliciantes, importa perceber se os condutores são fiéis às marcas que conduzem, ou se estão mais predispostos a conhecer outras realidades. No caso dos automobilistas nacionais, os dados registados apontam para uma muito elevada taxa […]

     
  • Portugueses fiéis às marcas automóveis? Sim… mas pouco

    Num mundo em mudança, com inúmeras escolhas e um setor em constante inovação, O Observador Cetelem procurou compreender até que ponto os automobilistas portugueses e europeus estão fidelizados a uma marca automóvel. A publicação deste ano assinala a 12ª edição do estudo dedicado ao setor automóvel. Houve um tempo em que os condutores e as suas famílias eram adeptos de uma só marca. «Éramos» Ford, Volkswagen ou Citroën, de modo resoluto e definitivo, por vezes ao longo de gerações. No entanto, a realidade parece ter mudado. Hoje, 90% dos inquiridos portugueses afirmam-se fiéis a uma marca, mas, «entre falar e fazer», como diz o ditado, «há muito a dizer»: De acordo com o estudo Observador Cetelem Automóvel 2018, apesar da declaração de intenções, apenas 21% dos portugueses inquiridos confirmam ter mantido a mesma marca quando mudaram de viatura. Ou seja, ao mudar de carro, os portugueses pensam comprar um da […]

     
  • Pneus de Inverno: um essencial para o seu veículo nesta estação?

    Pneus de Inverno: um essencial para o seu veículo nesta estação?

    Os meses de maior frio estão aí, sendo importante começar a pensar nos pneus de inverno. Portugal não é dos países com o inverno mais rigoroso, mas o uso de pneus de inverno não se destina única e exclusivamente aos países com muita neve. Leia este artigo e fique a saber mais sobre este tipo de pneus. O que são e para que servem os pneus de inverno? Os pneus de inverno são pneus projetados para garantir uma maior segurança, estabilidade e aderência durante os meses de inverno. São especialmente concebidos para serem usados com temperaturas abaixo dos 7°C. Se pensar bem, essas temperaturas são muito comuns no interior do país, mesmo que não impliquem as regiões altas! Durante o inverno, não é só de neve que falamos. As estradas ficam molhadas e as condições de condução são afetadas. Aquaplanagem e o gelo na estrada são consequências diretas da estação. […]

     
  • Conduzir com chuva? Atenção ao aquaplaning

    Os pneus novos podem dispersar até 30 litros de água por segundo a uma velocidade de 80 km/h, mas com os valores mínimos permitidos por lei no que se refere à profundidade do piso (1.6 mm) a capacidade de dispersão de água diminui em cerca de 50%. Medições elaboradas pela Continental, mostraram que com uma profundidade do piso de cerca de 3mm, os pneus retêm até 80% da sua capacidade de dispersão de água. Para determinar estes resultados, o fabricante de pneus desenvolveu uma série de testes com diferentes pneus. Os testes mostraram que à medida que a profundidade do piso do pneu diminuiu, os modelos perdem capacidade de dispersar volumes elevados de água. Quando os pneus atingem o limite dos 3mm, os condutores devem trocar de equipamento. Para ajudar a determinar a profundidade do piso, os fabricantes como a Continental e a Uniroyal instalaram indicadores de desgaste entre as […]