Atendendo ao conturbado momento da economia nacional é vital que o cliente investido na compra de um certo produto ou serviço esteja devidamente informado para que faça a escolha mais acertada para si. É importante haver uma noção da realidade e ter-se em conta esse facto na altura de se fechar um negócio, seja ele em que ramo for.

Um dos sectores em que a atitude de consumo supra descrita assume especial relevância é nos empréstimos, algo facilmente justificável (e compreensível) quando se olha às implicações de subscrever um compromisso desta natureza. Por isso, vale a pena frisar alguns apontamentos nesse sentido, mesmo que boa parte deles já sejam conhecidos, pois nunca é demais chamar a atenção para aspectos com esse grau de utilidade.

O crédito automóvel é porventura dos melhores exemplos que se podem citar relativamente ao quão importante é manter-se informado sobre os assuntos ligados ao financiamento, já que é o tipo de crédito mais solicitado e concedido em Portugal além do crédito ao consumo e do crédito habitação. Assim, escrutinar as particularidades inerentes aos seus trâmites contratuais permitirá retirar elações bastante úteis para se conseguir negociar o crédito automóvel e todo aquele financiamento regido por critérios semelhantes.

Ceder pode ser a chave do sucesso
A primeira interrogação que deve colocar a si mesmo é até que ponto está disposto a ceder para obter o melhor negócio possível, ou seja, o que não se importa de abdicar caso tal resulte num contracto mais vantajoso. Há determinadas cedências que podem descer o custo final a suportar e isso terá de ser analisado pelos eventuais futuros benefícios.

Taxas de juro fixas ou variáveis
Em tempo de crise é sempre bom existir alguma segurança no que concerne aos gastos e a única forma de o garantir nos empréstimos é através das taxas de juro fixas. No entanto, essa opção é usualmente mais dispendiosa em termos absolutos, isto é, enquanto os financiamentos indexados a taxa de juro variável oscilam mediante as condições do mercado, tanto para cima como para baixo, um crédito a taxa de juro fixa mantém-se inalterado independentemente das ocorrências externas. Por isso, avalie os prós e contras de cada uma destas hipóteses de acordo com a situação que lhe dê mais confiança: se for avesso ao risco escolha os juros fixos; se estiver disposto a enfrentar a (regulada) incerteza em prol de mensalidades mais reduzidas prefira os juros variáveis.

Qual é o segredo?
Existem diversas estratégias para se conseguir um financiamento interessante e as duas que acabam de ser mencionadas são apenas uma ínfima parte desse amplo conjunto. O verdadeiro segredo para negociar o crédito automóvel e obter um contrato proveitoso a longo prazo é ter consciência dos aspectos fundamentais envolvidos neste género de acordos e da importância de ceder em alguns pontos tendo em vista melhorar as condições gerais do empréstimo.

 

Tags: , ,