conselhos antonio costa

O setor automóvel é sempre dos mais sacrificados quando o estado pretende obter mais receita. Este ano, quase todos os impostos que incidem sobre o setor automóvel vão aumentar. Apesar do alivio da sobretaxa extraordinária sobre os rendimentos e da restituição dos salários da Função Pública, o que é certo é que a austeridade está de volta por via do aumento dos impostos indiretos que incidem sobre o consumo, nomeadamente em tudo o que é relacionado com o automóvel.

Segundo as contas do Governo, os impostos que incidem sobre o setor automóvel vão render 3.675 milhões de euros aos cofres do Estado, ou seja, mais 578 milhões de euros do que em 2015.

Compra de automóvel mais cara

A aquisição de um automóvel vai ficar mais cara, nomeadamente se for um veículo mais poluente. Isto é porque ogoverno prevê aumentar o ISV com o agravamento da componente ambiental. O ISV vai aumentar em 3% na componente cilindrada e entre 10% a 20% na componente ambiental. Embora os veículos mais limpos ou elétricos não paguem tanto, o que é certo é que este incentivo à aquisição de viaturas menos poluentes vai fazer com que todos os outros paguem mais.

O Imposto sobre Veículos é pago uma única vez e incide sobre a primeira matriculação de um veículo. Assim, estão sujeitos a ISV os veículos novos e os importados. Este custo já está no preço da viatura no caso de ser nova.

Custo do crédito automóvel

A subida do Imposto de Selo no crédito ao consumo vai ter implicações no aumento do custo do crédito automóvel. A proposta de Orçamento do Estado para 2016 propõe um agravamento em 50% do Imposto do Selo sobre o crédito ao consumo. Segundo o relatório do OE2016, esta medida durará apenas até 2018 e tem o objetivo de desincentivar o endividamento devido ao consumo, assim como aumentar os níveis de poupança.

Aumento do IUC

Todos os automóveis vão pagar mais 0,5% de imposto único de circulação, independentemente da idade ou das características do automóvel. As tabelas que servem de base para o cálculo do valor a pagar foram agravadas tendo por base a taxa de inflação registada em 2015. Este aumento não é realmente muito grande, mas para o estado tem um impacto positivo de 311,2 milhões de euros.

O IUC é um imposto com periodicidade anual, sendo que o pagamento é realizado na data da matrícula. A data limite para o pagamento é o final do mês de aniversário da matrícula.

Aumento do preço dos combustíveis

Encher o deposito do automóvel também já está mais caro. O Governo aumentou o Imposto sobre os Produtos Petrolíferos em seis cêntimos por litro aplicável à gasolina sem chumbo e ao gasóleo. O que vai acontecer na prática é que se vai pagar mais do que isso, uma vez que o IVA incide sobre este aumento.

Redução dos incentivos à compra de veículos elétricos reduzem

Os automóveis elétricos vão também ficar mais caros a partir deste ano. A proposta de Orçamento do Estado de 2016 prevê um corte no incentivo fiscal dado pelo Estado a quem compre veículos elétricos e dê o velho automóvel para abate, dos atuais 4.500 euros para 2.250 euros. Para os veículos híbridos plug-in o corte é de 2.125 euros, passando o comprador a receber apenas 1.125 euros no ISV.

Com estas medidas as associações ligadas ao setor automóvel já mostraram a sua estupefação, nomeadamente a ACAP e ANECRA.

 

Tags: , ,